Não só de críticas vive a internet! Temos muito o que elogiar, aplaudir e compartilhar nas redes. Chega de ficar só reclamando e apontando os erros dos outros, seja uma pessoa, um concorrente ou uma empresa. Vamos nos unir, seres humanos, e espalhar Gentileza e mostrar como ela é poderosa nas relações virtuais. E como eu acredito na Gentileza como ferramenta de humanização da comunicação virtual, quero dedicar este artigo a algumas marcas que chamaram a minha atenção e me conquistaram com ações em prol do movimento LGBT.

Não vou entrar na questão se é apenas uma ação de marketing isolada ou se de fato são os valores da empresa. O que sei é que tudo o que tem acontecido faz parte de uma verdadeira libertação para muitas pessoas e para nossa visão sobre marketing.

Sugestão de trilha sonora: 

[A letra dessa música faz referência à legalização do casamento gay. A canção foi utilizada na campanha para o Washington Referendum 74, que foi aprovado e permitiu a união entre pessoas do mesmo sexo em Washington. Essa música também ganhou o prêmio na categoria de Mensagem Social no VMA 2013].

* Ao final, tem uma espécie de “texto anexo”, onde compartilho algo especial e falo #Sobre a vida gay.

Esse ano eu fui à Parada LGBT de São Paulo com Lili e a filha dela e, lá, entre os trios de música, conversamos um pouco sobre a importância de marcar presença e de ter marcas engajadas. Eu achei bacana ela ter levado a filha pré-adolescente. Papo vai, papo vem, falávamos sobre a preocupação que os pais têm em explicar para os filhos como funciona uma relação entre pessoas do mesmo sexo. E uma coisa que é comum ouvir: em geral, as pessoas reduzem as relações em “é o amor” ou “é bagunça”, pra não dizer putaria (desculpe o termo, mas é isso mesmo) . Porém, teve uma fala da Lili que ficou na minha cabeça, foi mais ou menos assim: “não temos que explicar para as crianças sobre o que rola ou não na relação dos outros. Pois a vida do outro é a vida do outro”. Eu concordo demais . Simples e didático! clap clap para a educação que ela está dando para a filha.

Mas, como ainda há muita batalha pela frente para vivermos em uma sociedade madura a este ponto e livre da curiosidade fofoqueira, precisamos conversar sim sobre o tema. Caso você conheça alguém que queira boicotar empresas e marcas que apoiam a causa LGBT, tem uma dica ao final dos cases a seguir. 😉

Durante o Mês do Orgulho LGBT reparei a quantidade de empresas que estão cada vez mais “saindo do armário” e defendendo uma causa importantíssima. Fiquei muito feliz e resolvi então preparar este conteúdo para compartilhar com você algumas ações que contribuem para a conquista deste espaço e valorização da diversidade. Vamos lá!

1. SKOL

De um tempo para cá percebi que a Skol tem se posicionado em suas campanhas tendo a inclusão e a diversidade como temas principais. Um exemplo disso foi a Skolors, campanha que valoriza a beleza das cores e a diversidade com o lançamento das latinhas para cada tom de pele.

SKOL

Com o conceito “Redondo é sair do seu quadrado”, a Skol também abraçou a causa LGBT e patrocinou pelo segundo ano consecutivo a Parada na Avenida Paulista, em São Paulo. Em seu trio elétrico, diversas atrações: a cantora Daniela Mercury, a mestre de cerimônias Paullete Pink, umas das drag queens mais icônicas do Brasil, e o DJ Adipe Neto.

E não parou por aí: a Skol criou uma latinha especial para o evento. O símbolo da marca foi preenchido com as cores do arco-íris e a ação foi um case de sucesso. É claro que as redes sociais não ficaram de fora, a marca criou um evento em sua fanpage convidando as pessoas a participarem da Parada e divulgou sua participação e suas ações durante o evento.

SKOL

Gosto muito da campanha “Quem é essa pessoa?”, que sintetiza bastante o posicionamento da Skol para questionar estereótipos. Confira um dos filmes dessa série sem roteiro definido com pessoas de perfis diversos convidadas para uma experiência social.

Quadrado é rígido.

Redondo é acolhedor.

Quadrado é ser 8 ou 80.

Redondo é ser 8,18,35,67,80,140.

Conheça essa história de tirar qualquer um do quadrado.

2. DORITOS

Empoderamento e valorização da diversidade. Esses são os dois conceitos que permeiam as ações da marca online e offline durante o Mês do Orgulho e da Parada do Orgulho LGBT. Com o mote “Nada é mais bold do que ser você mesmo”, a marca lançou o Doritos Rainbow, uma versão especial com os salgadinhos coloridos.

A versão exclusiva do produto foi distribuída gratuitamente no evento e teve um kit comercializado para moradores de São Paulo, no formato de doação de R$ 20,00 por meio da campanha de crowdfunding realizada no site Kickante. O kit foi composto pelo pacote de salgadinhos coloridos e uma bandeira com as cores do arco-íris. Toda a verba arrecadada está sendo doada para a Casa 1, iniciativa de Iran Giusti e Otávio Salles, que acolhe membros da comunidade que foram expulsos de casa e estão em situação de risco.

Doritos

“Nada é mais bold do que ser você mesmo”.

3. UBER

Também foi um dos patrocinadores oficiais da Parada do Orgulho LGBT e teve um dos trios elétricos mais comentados, com participação de Anitta, Nayara Azevedo e Pabllo Vittar. Além das ações específicas para o evento de São Paulo, Uber tem feito ao longo do ano parcerias com Associações e ONGs que trabalham com o público LGBT e participou de Paradas em Salvador, Recife e Fortaleza.

Usando a internet como aliada, durante o Mês do Orgulho LGBT, Uber reforçou junto aos motoristas parceiros a importância de fazer viagens livres de discriminação e seguras para esse público. Além de aumentar a distribuição de uma cartilha com dicas de respeito às pessoas LGBT. Para essa campanha também foi criado um vídeo especial de conscientização para os parceiros.

4. FACEBOOK

O Facebook realizou uma série de ações durante o Mês do Orgulho LGBT. Entre elas, a criação de máscaras e molduras para as fotos de perfis, remetendo ao símbolo do movimento, o arco-íris, e a criação especial do botão de reação “Orgulho”, também com o símbolo da bandeira do arco-íris. O objetivo foi espalhar o orgulho e o respeito pela web.

Laíze Damasceno_Marketing de Gentileza

Além das ações específicas para o mês de junho, a rede social Facebook é responsável por uma comunidade que já conta com mais de 22,6 milhões de pessoas: https://www.facebook.com/LGBTQ/

5. GOOGLE

O movimento foi celebrado com o lançamento da campanha #OrgulhodeSer. Por meio dos produtos e plataformas que possui, como o YouTube, o Maps e o Google Allo, Google disseminou a diversidade e a compreensão pela web. Foram feitas parcerias com YouTubers para a produção de conteúdos de nível mundial sobre o orgulho LGBT, além do lançamento de stickers especiais e da personalização do seu sistema de buscas.

Especialmente para a Parada de São Paulo, funcionários uniformizados desfilaram pelas ruas, ajudando a disseminar o #OrgulhodeSer. E foi criada uma rota rainbow no Google Maps que, além de mostrar o caminho até o evento, indicava os locais “amigos” do público LGBT pelo percurso.

Google

Confira também neste link o teaser #OrgulhodeSer: https://youtu.be/TrnEAX8aeeA

6. LINKEDIN

Não poderia deixar de falar da plataforma LinkedIn, que lançou a campanha #ProudAtWork em homenagem ao mês da diversidade e com o objetivo de incentivar profissionais da comunidade LGBT a compartilharem suas histórias e experiências de vida. Mas, vale destacar que a rede Linkedin convida a todos e não somente LGBTs para escreverem e comentarem sobre as ações e iniciativas em seus ambientes de trabalho. A ideia é inserir a hashtag #ProudAtWork em seus artigos (está aí o motivo de eu ter usado no título).

E para reverberar ainda mais a campanha, separei dois artigos sobre a causa:

. #ProudAtWork: O que aconteceu quando decidi ser 100% eu (de João Bevilacqua)

. #ProudAtWork: Não basta tolerar as diferenças. É preciso respeitá-las (de Ricardo Sales)

Todas as empresas que citei têm participação em outros eventos do Mês do Orgulho LGBT, como o Festival de Cinema LGBT e a Feira Cultural LGBT, e realizam ações ligadas ao tema ao longo de todo ano, reforçando que não estão apenas pegando o assunto da “moda” para se destacar em um período específico. Além dessas, obviamente existem muitas outras empresas e marcas que abraçam a mesma causa; vale pesquisar e ficar por dentro do trabalho que vem sendo feito.

E assim como falei no início, segue uma dica para dar àqueles radicais e ditos “tradicionais” que desejam boicotar empresas e marcas que apoiam a causa LGBT. É muito simples: para começar, é só parar de beber e comprar Skol para o churrascão, parar de comer salgadinhos Doritos, parar de utilizar o aplicativo Uber, encerrar agora mesmo as contas de perfis do Facebook, Google e Linkedin.😉

#SOBRE A VIDA GAY

Resolvi escrever este artigo para incentivar empresários, empreendedores, líderes e profissionais de todos os segmentos a abraçarem a causa em suas iniciativas de Marketing e a se libertarem do medo de falar sobre este assunto.

Por muitos anos eu não fui eu mesma por medo da não aceitação. Por medo de não ser compreendida e até mesmo de não ser bem-sucedida. Me descobri gay aos 24 anos de uma forma muito diferente e quase inacreditável. E por mais que aquilo tudo fosse genuíno para mim, eu não consegui assumir publicamente a minha orientação sexual e, então, me mantive em segredo até os 28, ou seja, 4 anos numa vida paralela, confusa, com medo e insegurança. Mas ao mesmo tempo, feliz e libertador.

Quando me assumi para minha família e meus amigos mais próximos, minha vida deslanchou como nunca havia acontecido. Fui acolhida. Isso impactou diretamente a minha trajetória profissional. E percebi que perdi 4 anos de felicidade junto a essas pessoas por que tive medo. Medo este que é causado principalmente por fatores externos. Portanto, está aqui mais uma razão para empresas e marcas, de todos os portes, a ajudarem a construir uma sociedade mais livre e saudável.

Sou casada. Somos duas mulheres fortes, batalhadoras, que enfrentam preconceitos de vários lados. Sou grata por nunca termos sido vítimas de nenhuma situação grave de preconceito ou humilhação pública. Escolhemos viver nosso amor, mas sabemos que deixamos de desfrutar de muitas coisas simples e que fazem toda a diferença no dia a dia. Como por exemplo reunir nossos parentes em nossos aniversários, na ceia de Natal, nas festas e viagens entre a família, no almoço de domingo, em casamentos de primos, em celebrações diversas. Infelizmente por causa do preconceito não temos isso e acho que nunca teremos. Mas, tudo bem, a gente vai se adaptando e criando nossa realidade. Somos rodeadas por pessoas incríveis e muito queridas. Minha mãe é uma delas. E sinceramente, tenho certeza que somos infinitamente mais felizes do que muitos que se dizem “tradicionais” e com aquela vida “padrão”.

Somos duas empreendedoras ávidas por fazer mais e melhor por nós mesmas e pelas pessoas. Nos consideramos muito corajosas e vencedoras. Todo dia, em casa, a gente compartilha e comemora nossas conquistas com a certeza de que estamos colhendo exatamente o que plantamos, sem precisar ferir ninguém.

Não temos o desejo de ser mãe. Mas, temos dois filhotes de gatos adotados, Dulce e Phill, nossos filhos amados que nos trouxeram muita alegria e muitos pelos para nossa casa. Rs. Antes de sermos duas mulheres gays, somos duas pessoas que se amam e que se respeitam em primeiro lugar. Em 4 anos de relacionamento nunca levantamos a voz, nunca xingamos ou nos agredimos verbalmente e muito menos fisicamente. Nunca. E eu tenho um baita orgulho disso. Até me emociono, pois quando me descobri gay eu achei que não fosse possível formar uma família equilibrada e com tudo o que temos hoje (material, sentimental e espiritual) para ser feliz e realizada.

Construímos nossa família e nossas empresas baseadas em princípios e valores fortes. Nós duas passamos por um processo de Coaching que nos ajudou a definir um propósito de vida forte e claro, que é colocado diariamente em prática. Somos apaixonadas uma pela outra. Pela vida. Pelas coisas que nós fazemos, pelos nossos amigos e família. Somos incansáveis e “sangue nos olhos”. Quem convive comigo e com a Manu sabe muito bem como levamos a vida com energia e vontade de evoluir e ajudar as pessoas. Somos um pouco low-profile em alguns aspectos, Manu muito mais que eu. Mas, isso não significa que não estamos apoiamos causas e lutas importantes.

Não somos do tipo que levanta uma bandeira só para gerar polêmica, seja sobre política, economia ou diversidade, por exemplo. Não temos o hábito de esbravejar nossas opiniões nas redes sociais, e isso também não significa que somos apáticas ou que estamos em cima do muro. É simples de entender: quando deixamos de compartilhar uma opinião publicamente não significa que não temos opinião, significa apenas que não queremos compartilhar nossa opinião em determinada rede social. Fazemos isso quando avaliamos propício.

Não precisamos gritar para conquistar atenção ou ter algo. Eu inclusive aprendo diariamente com a Manu, pessoa serena, centrada e com uma calma para resolver problemas de dar inveja. Enquanto eu me acabo de insônia e de roer as unhas de tanta ansiedade, ela me ensinou a gostar de chá quente de camomila e erva-cidreira para tomar antes de dormir. E então ela calmamente prepara o chá para a gente toda noite.

Bom, eu teria muitas coisas para compartilhar, mas já estou em 9 páginas de Word e não quero que esse assunto fique cansativo para você. Apenas queria que você percebesse o quão normal é uma vida gay, assim como falar sobre ela.

Hoje, com o projeto Marketing de Gentileza quero me comprometer mais a lutar por essa causa, pois sei que a angústia que eu tive está longe de ser igual ao sofrimento de muitos jovens e adultos que não têm com quem contar na família, no trabalho e nem no círculo de amigos, simplesmente por causa de duas coisas absurdas: preconceito e falta de respeito.

Espero que esse artigo tenha ido além de um panorama do Marketing de causa, mas que ele tenha falado com você sobre a importância de termos uma vida integral e sobre como as empresas e marcas podem contribuir diretamente na melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Ficarei muito feliz em dividir com você o campo de comentários.

………………………………………………………………………………………………………

. Meu propósito é inspirar, emocionar e tocar o coração das pessoas. Minha missão é ajudar empreendedores e marcas a humanizarem o relacionamento com o cliente e conquistar a confiança das pessoas no ambiente virtual.

. Sou autora do livro Marketing de Gentileza, Palestrante, Jornalista pós-graduada em Comunicação Corporativa, diretora da Angorá Comunicação eConsultora de Marketing com foco em relacionamento online com o cliente. Sou Coach e Analista de perfil comportamental DiSC formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC) e certificada pela The International Association of Coaching. Empreendedora entusiasta do Marketing com Propósito e da Gentileza nas relações virtuais.

. Lancei meu segundo livro, totalmente digital e GRATUITO! Desta vez, eu foco em credibilidade da marca no ambiente digital. São dicas e exercícios para você colocar em prática. Clique na imagem da capa abaixo para fazer o download do ebook.

Sobre o autor Veja todos os posts

Laíze Damasceno

Meu propósito é inspirar, emocionar e tocar o coração das pessoas. Acredito que Marketing não é apenas sobre marcas, serviços, produtos ou eventos. É sobre relações humanas. Sou fundadora do blog e autora do livro Marketing de Gentileza. Sou Jornalista, pós-graduada em Comunicação Corporativa, diretora da Angorá Comunicação, palestrante e Coach formada pela SLAC.