Boato nas redes sociais! Este é um tema que precisamos abordar sempre.

O mundo digital é cada vez mais tomado por “disse me disse” e notícias falsas que, de alguma forma, ameaçam a reputação de marcas e em muitos casos até mesmo mexem com questões de segurança pública.

Vale destacar que boato existe desde sempre e infelizmente continuará existindo. Não vou entrar na polêmica sobre a criação de boatos ou na desmistificação deles. Quero trazer a discussão sobre o impacto negativo na comunicação digital da sua marca.

O ano passado foi fortemente marcado por muitos boatos, mas só os primeiros meses de 2017, já renderam rumores pra lá de absurdos. Tivemos casos sobre Uber, Whatsapp, PCC, órgãos do governo, incluindo distribuição de cestas básicas, cobrança de licença de CNH e outros muitos.

Os boatos em redes sociais caminham na contramão da gentileza virtual, algo que diz respeito não somente às empresas e marcas, mas também às pessoas, ao comportamento humano na internet e aos relacionamentos. Espero que o conceito de gentileza virtual seja tão difundido quanto um “por favor” ou “obrigado”.

Mas voltando…

O que alguém ganha criando um boato?

Falando o português claro, quem cria um boato quer aparecer ou se auto afirmar sobre alguma coisa! Claro que de forma indireta, porque assumir integralmente a autoria nem sempre é uma opção considerada pela pessoa que disparou a inverdade. Particularmente, acredito que a mentira, num sentido mais amplo, está ligada à questões como baixa autoestima e fraca, por exemplo. 

E quando um boato é criado em torno da sua marca (seja ela você mesmo ou a empresa), todos os “holofotes” se concentram rapidamente nas suas redes sociais. Até quem nunca ouviu falar da sua marca passa a notar. Então daí para a frente você precisa analisar cada passo. Cada publicação ou ausência de pronunciamento oficial pode ser um tiro no pé. 

Como a sua marca deve se posicionar diante de um boato?

Toda marca quer e precisa de visibilidade e exposição, sobretudo nas mídias digitais. E infelizmente algumas alcançam da pior forma possível: sendo vítimas de alguém que teve a maldade de compartilhar informações falsas. Se você está vivendo essa situação, é hora de pisar em “ovos digitais”. 

7 atitudes diante de um boato

  1. O mais adequado a fazer é falar a verdade.
  2. “Olhe nos olhos” das pessoas. Por exemplo, faça um vídeo.
  3. Seja franco.
  4. Seu pronunciamento deve ser feito com clareza, simplicidade, empatia e com a nossa boa e velha cordialidade.
  5. Em um primeiro momento, use apenas os meios onde o boato se espalhou.
  6. Dependendo da gravidade e da repercussão, envie um comunicado para toda a sua lista, caso você tenha uma base de inscritos.
  7. Depois que a tempestade passar, mostre às pessoas que tudo voltou ao normal e que você está feliz e aliviado com isso.

Essas sete atitudes vão mostrar o olhar atento da marca em relação à sua própria exposição e também a preocupação que você tem com seus clientes e seu público em geral.

E nós, enquanto profissionais de comunicação e marketing, devemos manter em nossas redes a ordem e disciplina em relação às notícias. Somos formadores de opinião. Se cairmos no engano, podemos viralizar ainda mais.

Acompanhe o Boatos.Org. Eles trabalham diariamente desmentindo boatos para manter a veracidade das informações na internet. Checar as informações antes de repassar é extremamente importante, mas monitorar o que falam da sua marca é muito mais!

Bem, obrigada por ler este artigo até o final. Se você precisa de um bate-papo exclusivo sobre sua marca, eu posso te ajudar. Acesse o link e se inscreva para uma sessão gratuita online da Mentoria de Marketing da Gentileza: Toque o coração dos clientes e seja uma marca querida.

Um grande beijo e até o próximo artigo!

Sobre o autor Veja todos os posts

Laíze Damasceno

Meu propósito é inspirar, emocionar e tocar o coração das pessoas. Acredito que Marketing não é apenas sobre marcas, serviços, produtos ou eventos. É sobre relações humanas. Sou fundadora do blog e autora do livro Marketing de Gentileza. Sou Jornalista, pós-graduada em Comunicação Corporativa, diretora da Angorá Comunicação, palestrante e Coach formada pela SLAC.